quinta-feira, 28 de abril de 2016

A Poesia não tem Grades


Intervenção artística em ambiente prisional.

“A Poesia não tem grades” existe desde 2003 e é uma iniciativa coordenada por Filipe Lopes, apoiada pelo Grupo O Contador de Histórias e pela CULTIV – Associação de Ideias para a Cultura e Cidadania. Tem vindo a desenvolver sessões de promoção da leitura junto dos reclusos com o objetivo de promover a experimentação artística e assim contribuir para o desenvolvimento intelectual e pessoal daquela população. É considerado de relevante interesse pela Direção Geral de Reinserção e dos Serviços Prisionais e tem merecido a aceitação e a participação empenhada dos reclusos. Foi apoiado financeiramente pela atual Direção Geral do Livro e das Bibliotecas nas primeiras edições, sendo posteriormente um trabalho realizado de forma inteiramente voluntária, com todos os custos suportados pela estrutura. Em 2013, foi adicionada uma vertente formativa com o projeto “Palavra-Chave” que procura formar e coordenar voluntários, motivando-os para a intervenção nos Estabelecimentos Prisionais da sua área de residência. Neste âmbito já decorreram ações em Bragança, Lamego, Grândola, Ponta Delgada e Lisboa.



Depoimento:
Omitindo alguns pormenores para garantir a privacidade, reproduzimos um e-mail que nos chegou de um participante numa das nossas ações.
"Já andava há algum tempo para escrever, mas ainda não tinha tido capacidade para pôr em palavras o que queria dizer. De certeza que não se lembra de mim, mas conheci o Filipe o ano passado no EP (...) e eu nem queria ir. Estava muito revoltado, tinham-me dito para me inscrever, mas eu no dia em que ia acontecer também fui informado que afinal já não ia sair na data que estava a pensar. E eu disse para mim, que é que vale andar a participar nas atividades todas, andar no ensino e portar-me bem se depois não tenho nenhum benefício e não posso sair mais cedo?
Quando fui para a sala ia a pensar nestas coisas e achar que ia apanhar mais uma valente seca. Nunca gostei de poesia. E há muita gente que vai à prisão fazer a boa ação do dia: tratam o recluso como se fosse um coitadinho, não percebem nada do que estamos a passar, mas gostam de se ouvir a dizer coisas bonitas e saem de lá satisfeitas com elas mesmas, porque já vão para o céu.
Mas depois de ouvir o Filipe a falar e de perceber que não estava ali como se fosse melhor que nenhum de nós, mas estava porque a poesia lhe tinha salvado a vida e acreditava que podia funcionar para nós, ficou tudo diferente. Foi uma hora e pouco que passou a correr, eu não falei, mas alguns companheiros deram as suas opiniões e nenhum esteve a ser julgado por dizer o que sentia. Acho que não devia dizer que é uma aula de poesia, já estive com muitos psicólogos e acho que foi mais isso que estivemos a fazer estivemos a pensar sobre nós mesmos, a olhar para o que somos e queremos ser. Mas se calhar nas vezes que estive com psicólogos nunca consegui perceber tanto de mim mesmo como naquela hora e no que levei de lá.
Gostei muito daquele poema da família à mesa mas aquele que diz que lhe salvou a vida ficou guardado na minha cabeça desde aquele dia. Uma das primeiras coisas que fiz quando sai foi tentar encontrar o poema mas não sabia qual era autor mas agora já tenho o livro de Charles Baudelaire! À minha filhota já não compro tantas vezes brinquedos comecei a comprar livros e gosto muito de os ler com ela.
Descobri finalmente o site na internet e queria dizer que nem sempre agradecemos como deve ser. Não sou muito bom com as palavras mas o dia em que esteve connosco foi diferente de todos os outros que lá passei por isso muito obrigado. Não faz ideia do bem que faz a quem lá está assim. (...) E nunca mais me esqueci de encontrar os poemas dentro das músicas e a poesia nas árvores ao vento. (...)"








Poderá também gostar de:

A Beleza Das Pequenas Coisas
Johnson Semedo, de ladrão e presidiário a herói.


O segundo episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas” conta a incrível história de João Semedo Tavares, mais conhecido por Johnson Semedo, um homem de 43 anos que viveu várias vidas nesta vida. Foi menino de rua, ladrão, pequeno traficante, toxicodependente, passou mais de 10 anos na prisão e, após uma profunda transformação pessoal, tornou-se um herói nacional.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Mais que leitores a poesia tem militantes


Poesía: un género que más que lectores tiene militantes

Asisten a lecturas, slams y festivales como el internacional, que ahora triplicó su audiencia; igual que en la ópera, el público es reducido, pero muy fervoroso
LA NACION
JUEVES 23 DE ABRIL DE 2015
Se dice que los lectores de poesía representan una minoría respecto de los de narrativa, de los que leen libros de investigación periodística y de autoayuda, e incluso de fastbooks firmados -aunque quizá no escritos- por conductores de radio y televisión. Exiliadas de las vidrieras y las mesas de librerías de los shoppings, las ediciones de poesía nacional -ya dijimos- aumentaron un 40% en 2014 y resisten gracias a un público minoritario, pero intenso que concurre a recitales, festivales, ciclos de lecturas en bibliotecas y bares, en institutos de educación. Pero ¿quiénes son esos lectores de poesía? Graciela Aráoz, directora del X Festival Internacional de Poesía, que comenzó el domingo en diferentes espacios de la ciudad y seguirá hasta el 26 del actual en la Feria del Libro, comenta que, en estos diez años, "el festival triplicó su convocatoria. Los bares se llenan de público, hay gente sentada en las escaleras de bibliotecas para escuchar a los poetas; hemos creado entre todos un ambiente especial". El FIP fue considerado el tercer festival de poesía más importante del mundo, después del de Medellín, en Colombia, y el de Trois Rivières, en Canadá.
Pablo Pineau, profesor de Historia de la Educación Argentina y Latinoamericana en la UBA e investigador de la Facultad de Filosofía y Letras, comenta: "Los lectores de poesía siguen siendo un grupo chico dentro de los lectores, a tal punto que los llamamos «lectores de poesía». La escuela aún cumple con su rol histórico de conectar a los alumnos con algunas producciones consagradas en un canon que se amplió mucho en los últimos tiempos, y que incluye a Alejandra Pizarnik, Francisco Urondo o Néstor Perlongher". Gonzalo Santos, narrador y profesor en secundarios y terciarios, sostiene que pocos docentes tienen el entrenamiento que la lectura de poesía parece reclamar, mucho menos los alumnos (aunque ninguno de ellos desconoce, debido a la repetición publicitaria y las canciones de moda, los beneficios de la rima y de las estrategias verbales). "Sin embargo -agrega-, en épocas de transición como éstas, la poesía se vuelve profética: es capaz de apresar o, al menos, atisbar, aquello para lo que la intelectualidad parece impotente. Tal vez habría que prestarle más atención." Probablemente hacia allí apunta la colección Juan Gelman para escuelas secundarias, impulsada por el Ministerio de Educación de la Nación, integrada por 80 libros de 500 autores, entre los que figuran Borges, Orozco, Pizarnik, pero también autores que provienen de otras series artísticas, como Spinetta.




A los ciclos de poesía, slams o festivales, concurre un público fervoroso, aunque no mayoritario. No obstante, los espacios donde se realizan esos encuentros -ya sean centros culturales como Besares Club de Cultura, instituciones como la Biblioteca Nacional o la Casa de la Lectura, o librerías de ciudades como Buenos Aires, Rosario y Córdoba- casi siempre aparecen colmados. "Muchos lectores de poesía son poetas y editores de poesía -dice María Pía López, directora del Museo del Libro y de la Lengua-. Es un circuito pequeño, pero a la vez muy militante; van a lecturas, realizan ediciones propias y comparten sus publicaciones en redes sociales." Pablo Queralt, poeta y curador del ciclo de la Biblioteca Popular de San Isidro, describe un poco más este público: "Creo que los lectores de poesía hoy son los poetas, sus amigos o parientes y, en tercer lugar, grandes lectores de narrativa y ensayo que también leen poesía. Además de otro grupo que lee el canon editorial (Neruda, Benedetti, Girondo) y no mucho más. El público de la poesía es como el de la ópera; un grupo de lectores o espectadores reducido en proporción a la población general, pero robusto e inteligente, que disfruta de ir más allá de lo visible".



La audiencia del slam de poesía que el Festival Néctar realizó el mes pasado en el Encuentro de la Palabra
La audiencia del slam de poesía que el Festival Néctar realizó el mes pasado en el Encuentro de la Palabra. Foto: Ministerio de Cultura

Griselda García, que organiza un ciclo de poesía en la Casa de la Lectura, junto con Ediciones del Dock (participan poetas como Jorge Paolantonio, Alberto Silva y Natalia Litvinova), ensaya algunas hipótesis: "En los cafés literarios porteños, los que asisten también escriben (no pasa lo mismo con el teatro, donde los espectadores no son únicamente actores)". ¿Esto es responsabilidad de los autores? "En parte sí. Es habitual que alguien escriba los mejores poemas, pero no sea el más indicado para leerlos en voz alta: tono monocorde, falta de modulación, inhibición? Por lo general, tampoco se planea la lectura como un espectáculo; más bien todo lo contrario. Cualquiera que haya pasado dos horas en uno de esos ciclos sabe que para quedarse hay que ser héroe o amigo del que lee."

Poéticas redes sociales





Desde la creación de los blogs de poesía, escritores y lectores cuentan con una herramienta dinámica y accesible. Otra iglesia es imposible (del poeta Jorge Aulicino), La biblioteca de Marcelo Leites; Días después del diluvio, de Daniel Freidemberg, y el reciente Poetas argentinos cuentan con miles de visitas mensuales. Sandra Toro, traductora y editora de El placard, comenta: "En los nueve años que lleva mi blog se incrementó mucho el número de lectores, algunos muy activos. Creo que el acceso masivo a Internet permitió que se abriera el espectro y la oferta de poesía disponible pasó a abarcar muchísimo más que el lugarcito reservado en las grandes librerías. Hay más de dónde elegir". Varios poetas (Silvia Arazi, Susana Cella, Diego Bentivegna o Silvio Mattoni) comparten producciones en sus cuentas de Facebook. Abiertas a comentarios, esas páginas funcionan como cuadernos con entradas que estimulan la curiosidad.
No sólo al idioma los poetas aportan una creatividad y un placer inesperados. También sobre la circulación de la poesía en la sociedad ofrecen un punto de vista desinteresado y lúcido. Walter Lezcano, periodista cultural y docente, autor de Humo y calle, comenta: "La poesía no es como la narrativa, en donde la temática puede atraer por sobre el estilo o la forma en la que el autor utiliza la lengua y crea una voz propia. Es pura personalidad. Y por esta cualidad, intensa y violenta, se acercan los jóvenes: siempre va a haber un autor que los interpele, los convoque, los movilice." Cecilia Pavón, poeta y autora de Un hotel con mi nombre y Once Sur agrega: "Como traductora de poesía contemporánea tengo la impresión de que la poesía es un pequeño club, donde los libros se pasan de mano en mano y las lecturas se recomiendan en lugares y circunstancias inciertas. Hace muchos años, cuando iba al taller de Arturo Carrera, recuerdo que él me dijo que un poema era una botella arrojada al mar, algo que iba a contrapelo de todo y que un día el mensaje le llegaba a alguien".
http://www.lanacion.com.ar/1786733-poesia-un-genero-que-mas-que-lectores-tiene-militantes

segunda-feira, 25 de abril de 2016

“POESIA ÚTIL” E LITERATURA DE RESISTÊNCIA

A literatura como arma contra a ditadura e a guerra colonial portuguesas




Poucos, muito poucos foram os poetas que se mantiveram alheios aos anos de ferro e manha da ditadura salazarista. De forma mais explícita ou mais discreta, mais pessoal ou pública, com palavras de indignação, de denúncia ou verrina, raros foram aqueles que não lavraram um pequeno ou grande incêndio nos seus livros, num ou noutro poema, num verso apenas que fosse(José Fanha in apresentação De Palavra Em Punho – Antologia Poética da Resistência. De Fernando Pessoa ao 25 de Abril. Porto, Campo das Letras, 2004)
Apesar de esta tendência, que aqui designamos como poesia de intervençãonão existir enquanto movimento literário autónomo (e, em rigor, com ela possamos relacionar autores das mais distintas profissões de fé estético-literárias), adotamos a proposta terminológica sugerida por Óscar Lopes: «Em termos de poesia de qualidade, não é possível isolar uma tendência de intervenção política ou de intenção realista, pois ela manifesta-se, e por vezes de modo bem vivo, em obras de sensibilidade tão diferente como as de Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner, Alexandre O’Neill […] Vamos no entanto agrupar um conjunto de poetas cuja fase de consagração se liga a uma clara atitude de polémica ou de crítica social (Lopes e Saraiva, 1996:1069 apud Sílvia Cunha, 2008 :47)

ÍNDICE (para consulta, clique nas hiperligações abaixo indicadas)
  • Leitura orientada de obras de intervenção sociopolítica do século XX português:
DATA
GÉNERO
AUTOR
TÍTULO
INCIPIT
1936-38
Poesia
José Gomes Ferreira
Não, não queremos cantar 
1936-38
Poesia
José Gomes Ferreira
Homens: na noite do desânimo
1940
Poesia
Manuel da Fonseca
O poeta tem olhos de água para refletirem todas as cores do mundo,
1940
Poesia
Manuel da Fonseca
Entontecido
1942
Poesia
Sidónio Muralha
Já não há mordaças, nem ameaças, nem algemas
1942
Poesia
Sidónio Muralha
Cada gesto de ódio
1945-48
Poesia
José Gomes Ferreira
Todas as noites toca um telefone na Lua.
1946
Poesia
José Gomes Ferreira
Acordai
Não fiques pra trás ó companheiro
1946
Poesia
Jorge de Sena
Estava sentado no degrau da porta.
1950
Poesia
Miguel Torga
Ar livre, que não respiro!
1952
Poesia
Egito Gonçalves
Aproveito a tua neutralidade,
1952-79
Poesia
Egito Gonçalves
Com palavras me ergo em cada dia!
1952-79
Poesia
Egito Gonçalves
Por aqui andamos a morder as palavras
1956
Poesia
Jorge de Sena
Não hei-de morrer sem saber
1957
Poesia
Mário Cesariny de Vasconcelos
Entre nós e as palavras há metal fundente
1957
Poesia
Natália Correia
Dão-nos um lírio e um canivete
1958
Poesia
Alexandre O’Neill
Nos teus olhos altamente perigosos
1958
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
Este é o tempo
1960
Poesia
Alexandre O’Neill
O medo vai ter tudo
1961
Pintura
Joaquim Rodrigo

1961
Poesia
Jorge de Sena
Esta é a ditosa pátria minha amada. Não.
1962
Poesia
Alexandre O’Neill
Perfilados de medo, agradecemos
1962
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
Ressurgiremos ainda sob os muros de Cnossos
1962
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
Para atravessar contigo o deserto do mundo
1962
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
As pessoas sensíveis não são capazes
1963
Poesia
José Afonso
No céu cinzento
1965
Poesia
José Carlos Ary dos Santos
Enfio os mocassinos do meu tempo nos pés
1965
Poesia
Manuel Alegre
Pergunto ao vento que passa
1965
Poesia
Manuel Alegre
Se sabeis novas do meu amigo
1966
Poesia
José Saramago
Venham leis e homens de balanças,
1967
Poesia
Manuel Alegre
Palavras tantas vezes perseguidas
1967
Poesia
Manuel Alegre
No meu país há uma palavra proibida.
1967
Poesia
Manuel Alegre
Como Ulisses te busco e desespero
1967
Poesia
Manuel Alegre
Qualquer coisa está podre no Reino da Dinamarca.
1967
Poesia
Jorge de Sena
Não é que ser possível ser feliz acabe,
1969
Poesia
José Afonso
No inverno bato o queixo
1969
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
É preciso dizer-se o que acontece
1970
Poesia
Ruy Belo
O portugal futuro é um país
1970
Poesia
Ruy Belo
Neste país sem olhos e sem boca
1970
Poesia
Ruy Belo
O lugar onde o coração se esconde
1970
Poesia
Rosalía de Castro / José Niza / Adriano Correia de Oliveira
Este parte, aquele parte
1971
Poesia
Adriano Correia de Oliveira
Se sabedes novas do meu amigo
1971
Poesia
José Afonso
Grândola, vila morena
1971
Poesia
Camões / José Mário Branco
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades
1971
Poesia
Sérgio Godinho
Vi-te a trabalhar o dia inteiro
1972
Poesia
Jorge de Sena
Que esperar daqui? O que esta gente
1972
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
Serei tudo o que disserem
1972
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
1972-73
Poesia
Manuel da Fonseca
Tejo que levas as águas
1972-73
Poesia
Manuel da Fonseca
Tu que vens agora de Montemaior
1973
Poesia
José Afonso
A formiga no carreiro
1973
Poesia
José Afonso
Venham mais cinco
1973
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
Não importa sol ou sombra
1973
Poesia
Ruy Belo
Meu único país é sempre onde estou bem
1974
Poesia
José Niza
Quis saber quem sou
1974
Cartoon
João Abel Manta

1974-1975
Poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
Esta é a madrugada que eu esperava
1975
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
Era uma vez um país
1975
Poesia
José Mário Branco
A cantiga é uma arma
1976
Poesia
Sérgio Godinho
O D. Sebastião foi para Alcácer Quibir
1977
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
Agarro a madrugada
1978
Poesia
José Carlos Ary Dos Santos
Isto vai meus amigos isto vai
1979
Poesia
José Mário Branco
Quando o avião aqui chegou
1981
Poesia
Manuel Alegre
A rosa a espada o Tempo a lua cheia
1982
Poesia
Fausto Bordalo Dias
O barco vai de saída
1982
Romance
Olga Gonçalves
Ora esguardae
1982
Poesia
José Mário Branco
A contas com o bem que tu me fazes
1983
Poesia
Vitorino
Perguntei ao vento
1990-93
Poesia
Natália Correia
Nesta praia, amigas, de onde p’rás cruzadas