sábado, 25 de outubro de 2014

LUGAR (Miguel Veyrat)



LUGAR

Busco un lugar inocente
donde este lobo que me habita
no abrigue sombras de miedo
sobre la tierra desnuda -y deje de ser
extranjero. Donde la meta
nunca consista en volverse atrás. Donde
ya no me sangre el desangrado cuerpo -en memoria
de nocturna voz, cuando la luz
más alta. Y cantar luego
sosegado en busca de cualquier certeza:
Pero la tierra siempre
tiene dueño -solo vuela
libre la inocencia, lugar ignoto
que nadie es capaz de descubrir.

Miguel Veyrat
En “Sobre la tierra desnuda”       
Incluido en “Razón del mirlo”
Edit. Renacimiento, 2009©
ISBN 13: 9788484724612





Outros poemas de Miguel Veyrat no blogue http://trianarts.com:


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

JOVEM REBELDE (Luís Silva)


Cover art




JOVEM REBELDE

Eu sei que não sou alguém especial
Sou apenas um jovem
À procura do seu lugar
Traço o meu caminho
Sigo sempre o meu coração
Não tenho o meu destino
Traçado na palma da minha mão
Faço coisas por instinto
Que nascem dentro do meu ser
Quero viver esta vida
Do modo que gosto e sei fazer
Dizes coisas que não faço
Mil e um nome me dás
Mas sou apenas isso
Sou um jovem rebelde, sou
Sou alguém como tu
Ser assim é ser livre
É como voar nas asas de um açor
Mas sei amar como tu·
Ser assim é dar tudo o que tens
É dar tudo o que tens por amor
É assim que eu sou
Eu sei que não sou alguém especial
Sou apenas um jovem
Perdido no teu olhar
Ser jovem não é pecado
Ser assim não é defeito
Sou apenas como um rio
Que corre no seu leito
Dizes coisas que não sou
Mas sou aquilo que não dizes
Mil e um nome me dás
Mas sou apenas isso
Sou um jovem rebelde, sou
Sou alguém como tu
Ser assim é ser livre
É como voar nas asas de um açor
Sou um jovem rebelde, sou
Mas sei amar como tu
Ser assim é dar tudo o que tens


Letra, música e voz: Luís Silva
Grupo: Art & Soul
Álbum: Moment of Clearness,
Data de lançamento: 2011-07-22





         

[Publicação simultânea em http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2014/10/23/jovem-rebelde.aspx]

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

ABANDONADA (Roberto Mesquita)


Fotografia de José Carreiro, Pico, 2014-08-17


    
ABANDONADA

A velha casa, onde eu morei outrora
E que há muito está desabitada,
Silenciosa envolveu-me, ao ver-me agora,
Num triste olhar de amante abandonada.

Com que amargor no íntimo lhe chora
Uma alma sensitiva e ignorada,
Que não tem voz para queixar-se, embora
Se veja só, de todos olvidada!

Casa deserta e fria, que envelheces
Ao desamparo, sem uma afeição,
Bem sinto que me vês, que me conheces

E relembras os dias que lá vão…
Eu esqueci-te, amiga, e tu pareces
Toda magoada dessa ingratidão.

Roberto de Mesquita (1871-1923), Almas Cativas e Poemas Dispersos








         MESQUITA, ROBERTO DE (1871-1923).
Verbete do Dicionário de Literatura Portuguesa, Brasileira, Galega e Estilística Literária. Porto, Figueirinhas, 1989 (4ª edição) (1ª edição, volume único, 1960; 2ª edição, tomo 1, letras A-M, 1969).

Escrivão de fazenda na Ilha das Flores, onde nasceu e morreu, publicou em jornais e revistas açorianas e continentais os versos postumamente reunidos no seu único livro: Almas Cativas, 1931 ‑ obra que, apesar da sua delgadeza, tem, de direito, um lugar, pela qualidade estética e mais ainda pelo acento autóctone, no nosso florilégio simbolista. Vagas preocupações metafísicas – herança de Antero de Quental, autor do verso «Almas irmãs da minha, almas cativas!» ‑ nela se diluem num descritivismo realista, ainda baudelairiano e filtrado por Cesário Verde, que monotonamente se imprecisa em angustiosa solidão, própria do carácter insular e conforme, em sua música e cambiantes, com·o magistério de Verlaine. O vento lastimoso, dias pluviosos, horas cendradas, saudades avulsas, sem causa, a penumbra que empana as formas compõem a atmosfera em que o poeta confessa a sua «maré de tédio». Discretos processos simbolistas («dia hiemal», «tarde macerada», etc.) podem-se facilmente reconhecer no estilo de Roberto de Mesquita, artífice abertamente confesso, que não rejeita o pontificado de Eugénio de Castro. Mas o que sobretudo importa destacar do seu espólio lírico é decerto, como acentua Vitorino Nemésio, «a imagem da sonolência da vida nos Açores [...] um perfil difuso e abúlico da açorianidade». Foi o introvertido autor das Almas Cativas (segundo este lúcido crítico) o primeiro poeta a exprimir «alguma coisa de essencial na condição humana» tal como ela se apresenta naquele arquipélago.

Urbano Tavares Rodrigues
Bibliografia:
Vitorino Nemésio, «Poeta e o Isolamento: Roberto de Mesquita», in Revista de Portugal, n.º 6, 1939.
Pedro da Silveira, «A propósito duma homenagem e dum projecto», in Diário Ilustrado de 25II-1958.
Jacinto do Prado Coelho, «Pensamento e estesia em Roberto de Mesquita», in Problemática da História Literária, Lisboa, 1961, pp. 249-255.



[~lwf0000+cópia+(5).jpg]




Lívido amanhecer, lufadas agressivas
Batem os canaviais e os álamos da estrada.
Que bilioso o acordar das perspectivas
Por essa macilenta e gélida alvorada!

A paisagem, que empana um véu cinzento e baço,
Ressuma na manhã irregelada e má
O fastio da vida, o mórbido cansaço
Dum velho coração que nada espera já.

De quando em quando ulula no próximo pinhal,
Sob a nortada agreste, a lamentosa reza
Em que se aflige a desesp´rança universal…

Dir-se-á senil e enferma a alma da natureza,
Por este amargo abrir de fusco dia hiemal,
Duma desconsolada e anémica tristeza.

Roberto de Mesquita, Almas Cativas e Poemas Dispersos





         ROBERTO DE MESQUITA
         [N. Santa Cruz das Flores, 19.6.1871 ? m. ibid., 31.12.1923] Poeta.
Verbete da Enciclopédia Açoriana. Base de dados disponível no portal culturacores.azores.gov.pt. Centro de Conhecimentos dos Açores - Direção Regional da Cultura, 2011.

Se na obra de muitos escritores se sente o desfasamento entre o tempo e o mundo que lhes é dado viver e as características pessoais, Roberto Mesquita foi um poeta que nasceu no ambiente e na época literária certos. Com efeito, características pessoais, culturais e psicológicas, fazem que na poesia de Roberto Mesquita se interpenetrem, com aguda sensibilidade e rara felicidade, as circunstâncias da vida, e o espírito e temas do decadentismo e simbolismo da época literária.
Depois de ter feito a escola primária em Santa Cruz das Flores, o segundo filho de António Fernandes de Mesquita Henriques e de D. Maria Amélia de Freitas Henriques, Roberto Mesquita, segue os passos de seu irmão Carlos, um ano mais velho, e, como ele, depois de uma primeira tentativa frustrada em Angra do Heroísmo, faz estudos liceais na Horta. Vem depois a ingressar na carreira da Fazenda Pública, enquanto seu irmão, dado também, ainda que com menos felicidade, à criação literária, prossegue estudos em Coimbra.
Em 1890, Roberto de Mesquita, que, na companhia deste irmão frequentara já algumas tertúlias literárias e recebera estímulo de professores na Horta, faz a sua estreia literária, publicando n’O Amigo do Povo de Santa Cruz das Flores um soneto sob o pseudónimo Raul Montanha. A partir daí, vai dando a conhecer dispersamente os seus poemas: e se publica a maioria em páginas da imprensa regional (O AçorianoA Ilha das Flores, Revista FaialenseO Arauto, A Actualidade), outros vêem a letra de forma em algumas das páginas nacionais de maior representatividade da época, como sejam a Ave Azul ou Os Novos, a revista que deu expressão mais significativa à geração simbolista portuguesa.
Roberto de Mesquita, que era leitor assíduo da poesia portuguesa e francesa (marcam­-no sobretudo Verlaine e Rimbaud, mas também Baudelaire está presente em muitos dos seus poemas), nunca deixou de ter informação da vida literária do continente e, aquando da única viagem que realizou para fora dos Açores (1904), encontrou­-se com Eugénio de Castro e Manuel da Silva Gaio. A estes contactos não era estranha a intervenção de Carlos de Mesquita, homem culto e de fina intuição crítica, que foi professor no liceu de Viseu e, depois, na Universidade de Coimbra (morre em 1916).
A edição em livro dos seus poemas foi projecto acalentado por Roberto Mesquita, que o organizou e colocou sob a égide expressa de Antero, intitulando-o, a partir do verso anteriano «almas irmãs da minha, almas cativas», Almas Cativas. Morreu no entanto sem realizar o projecto, e só em 1931, por iniciativa familiar, apoiada por Marcelino Lima, a obra surgiu em Famalicão. Já em 1989, Pedro da Silveira leva a cabo nova edição, enriquecida com poemas dispersos e o registo de variantes, e prefaciada por Jacinto do Prado Coelho. Por outro lado, no final da década de 30, Vitorino Nemésio considerou Roberto Mesquita «o primeiro poeta que exprime alguma coisa de essencial na condição humana tal como ela se apresenta na ilhas dos Açores», encontrando nos seus poemas a expressão perfeita das características que reúne no seu conceito de açorianidade. Pôde assim sublinhar no livro do florense «a melhor imagem da dispersão e sonolência da vida nos Açores, um perfil difuso e abúlico da açorianidade».
Pertencem a Almas Cativas alguns dos mais belos e expressivos poemas marítimos da poesia portuguesa. Neles, o peso opressivo da solidão concentra-se na sugestão de um ambiente fechado, de céus cinzentos e pesados, que se estende ao poeta de uma forma calma e difusa. As casas ancestrais e as ruínas humanizam-se, a noite, pelo seu «místico cismar», impõe um «terror sagrado» enquanto o luar transfigura a natureza, enfim, o poeta descobre a «alma de tudo a orar» e vê a sua sensibilidade exacerbada pelo pôr-do-sol, pelo vento agreste, por ruínas que se desenham em ambientes de decadência.
Invadido por um vago misticismo, que ultrapassa em muito o spleen evocado em algumas composições, o poeta irmana­-se com as «Almas cativas» do universo e toma para si a missão de revelar o sentido da natureza e das coisas, a sua «alma». Ao fazê-lo, tem consciência de ser superior aos outros homens, confinados às aparências simples do universo; mas, «poeta maldito», no seu dom encontra também o seu infortúnio. Como Filodemo, o pastor a quem as asas impedem o amor, sabe que a sua condição de poeta o impede de desfrutar as alegrias simples e ingénuas dos homens comuns.
Precisamente porque poeta, sabe­-se superior aos seus contemporâneos; e a sua alma «omnicoeva», «alma fim de raça, / intransigente com o Hoje estiolante», sente o apelo do Outrora. Interessam­-no então os ambientes fantasiados de um passado que, festivo e irreal, parece suspender­-se nos objectos arruinados que os animaram e que se tornaram símbolos, ou as efabulações de ambiência histórica ou bíblica, tão do agrado da época literária.
No entanto, não é um apelo ao passado que perpassa no olhar que confunde o tempo e o espaço na consideração da paisagem distante: nele manifesta­-se o mesmo estado anímico que se exterioriza na contemplação da natureza e que percorre os versos de Roberto Mesquita.
Quando o mar e o horizonte fechado da ilha são evocados, não são no entanto, a causa direta do tédio e do sentimento de tristeza vaga, da «viuvez desamparada» que une o poeta e a natureza. A noite, o vento aflitivo do nordeste ou o «macerado fechar de tarde» outonal estimulam certamente a meditação, mas os seus poemas não se detêm na simples busca de uma compreensão psicológica para o seu estado. É antes um movimento religioso, um movimento puro de abolição da separação entre os mundos humano e físico, que encontra a sua expressão na Poesia.
Ao mesmo tempo que se isola dos outros homens, o poeta irmana­-se com o mundo. A um vós/eu que condensa a oposição com aqueles que na aparência lhe são semelhantes, sucede­-se um vós/nós, em que o poeta sente a proximidade da «alma das coisas». E como que a mostrar que a comunhão entre o mundo e o poeta é total, o ritmo das descrições da paisagem, em que soam tanto uma cultura e uma sensibilidade literariamente modeladas, como a melancolia da açorianidade, não se quebra quando se manifesta a perplexidade: «Paisagem vesperal que palpitante espia / a estrela do pastor, que já no azul flutua? / A saudade sem causa, a vaga nostalgia / Que enche como um perfume este apagar do dia, / Gerou­-se na minha alma ou acordou na tua?».
A inquietação renasce continuamente de uma saudade sem alvo definido, nem causa ocasional. O poeta procura, em vão, compreender pela análise a sua natureza, que não é simplesmente psicológica: ela é, afinal, fruto da saudade do ideal («Minha alma, donde nasce a mágoa que te invade? / Que éden sentes perdido? / Oh! esta cheia poderosa de saudade / Sem alvo definido!»). A cada passo que o poeta dá à procura das promessas de absoluto inscritas no horizonte, o horizonte alarga­-se, a sua linha foge para o mais longínquo. A realização de qualquer sonho redunda na desilusão, superável apenas no fantasiar de novo Além.
Reiterado com melancolia decadentista, este estado anímico cava­-se sobretudo na inquieta certeza do desencanto final do poeta que não pode deixar de procurar «A beleza essencial, para sempre vedada / À nossa alma que geme à terra agrilhoada».
Em alguns momentos, assola-o a solidão da criatura face ao Criador: pressentindo embora a Sua presença na muda imensidão do mundo, não consegue explicação para a «fria mudez» que responde às súplicas dos homens, «abandonados num caminho incerto». Mas afirma a sua crença num sentido que não cessa de procurar, para o exílio terreno que Deus inflige aos seus «filhinhos», mesmo se lhe pesa ter de aceitar «a Vida fragmentada/ Em vidas dum momento».
E por isso, apesar de os seus versos não atingirem sistematicamente a fundura filosófica, a saudade que expressam não se confina à emotividade. É antes a saudade de uma unidade primordial que o poeta procura decifrar na natureza e nas coisas, buscando­-lhes uma alma e um sentido que não se oferecem nem à Ciência nem ao homem comum.
Roberto de Mesquita impõe o reinvestimento simbólico das imagens do viver ilhéu, do isolamento e do «céu fechado», ou do fantasiar de «belas regiões perdidas / na extensão do mar» que animam alguns dos mais belos poemas de Almas Cativas. E esse entendimento impõe­-se de tal forma que se torna impossível dar à análise introspetiva e ao sentimento da natureza outro significado que não o da universalidade. Mesmo a originalidade suave de um estilo que se apoia em recursos literariamente típicos na época, mas surpreende o leitor pela tensão e poder sugestivo do ritmo ou da aproximação de realidades díspares, de sinestesias ou metáforas inesperadas, vem acentuar o sentimento de indefinição, de vago, e propicia a oscilação dramática entre o particular e o universal que caracteriza uma obra que, sem ser muito extensa, dá a Roberto de Mesquita lugar entre os grandes poetas do simbolismo.

Bibliografia:
 Na edição de Almas Cativas de que é responsável (Lisboa, Ática, 1989), Pedro da Silveira apresenta, a par de uma cronologia do poeta, uma extensa bibliografia com os títulos publicados até à época. Entre esses títulos, justo é realçar:
Vitorino Nemésio, «O Poeta e o isolamento: Roberto de Mesquita», in Revista de Portugal, nº6, 1939 (recentemente republicado em nova edição de Conhecimento de Poesia, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1997); Jacinto do Prado Coelho, «Pensamento e estesia em Roberto Mesquita»; Problemática da História Literária, Lisboa, Ática, 1961, pp. 205­-209.
Entretanto, acrescentem­-se: José Carlos Seabra Pereira, Decadentismo e Simbolismo na Poesia Portuguesa, Coimbra, Centro de Estudos Românicos, 1975, José Martins Garcia, O cárcere e o infinito: sobre a poesia de Roberto de Mesquita, separata  de Arquipélago­Línguas e Literaturas, Ponta Delgada, Universidade dos Açores, 1986; Luís de Miranda Rocha, Para uma Introdução a Roberto Mesquita, Angra do Heroísmo, Secretaria Regional da Educação e Cultura, 1981.



O poeta Roberto de Mesquita (após 1908).




Um poeta como Roberto de Mesquita (1871-1923) pode, muito naturalmente e sem sobressaltos, ser estudado sob uma perspetiva açoriana, que nele detete as marcas e as representações subjetivas do mundo insular, e ao mesmo tempo sob um ponto de vista nacional, integrando-o no simbolismo português, que, por sua vez, é subsidiário do simbolismo europeu. Essas perspetivas não se excluem e foi mesmo por esse ângulo que Jacinto do Prado Coelho comentou a obra do poeta florentino:

Pertence-lhe um lugar no panorama da poesia portuguesa, pela qualidade estética de Almas Cativas; mais restritamente, situa-se no quadro da literatura açoriana pela expressão admirável da condição vivencial de ilhéu exilado no Atlântico (…), e no quadro do parnasianismo e sobretudo do simbolismo português, de que é um dos mais altos expoentes logo a seguir a Camilo Pessanha… (Jacinto do Pado Coelho, «Roberto de Mesquita e o simbolismo», prefácio de Almas cativas. Lisboa, Edições Ática, 1973, p. 9).
O texto de Jacinto do Prado Coelho refere e cita o ensaio de Vitorino Nemésio sobre Mesquita, o primeiro que de forma extensa se ocupa do poeta e o dá a conhecer ao público português. Nesse ensaio, Nemésio chama justamente a atenção para a filiação literária de Roberto de Mesquita, que vai de Leconte de Lisle a Baudelaire, a Verlaine, a Antero e a Eugénio de Castro; mas ocupa-se principalmente do modo como os preceitos de escola se integram no discurso poético e se acomodam à expressão de uma «experiência» pessoal inseparável da condição insular.6 E Jorge de Sena, ao incluir Mesquita nas Líricas Portuguesas, chama igualmente a atenção para aquilo que «de autóctone de uma parte de Portugal – os Açores – [aflora] no seu lirismo.» (Jorge de Sena, Líricas Portuguesas, 3.ª série, vol. I. Lisboa, Edições 70, 1984: LXVIII).

Bettencourt, Urbano. Inquietação insular e figuração satírica em José Martins Garcia. 2014. (Tese de Doutoramento em Estudos Portugueses.) Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 2013.

___________________
(6) O ensaio, publicado inicialmente no n.º 6 da Revista de Portugal (janeiro de 1939), foi posteriormente incluído em Conhecimento de Poesia (1970).



Poderá também gostar de ler:

·         Verbete “Roberto de Mesquita”, Wikipédia.





         

[Publicação simultânea em: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2014/10/22/abandonada-roberto-mesquita.aspx]