quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

DA VIDA E DA MORTE


  

A VIDA E A MORTE NO IMAGINÁRIO COLECTIVO

  
  
  
       Unreal: Sidewalk Cartoon  
       Disco “Unreal: Sidewalk Cartoon” (2006) de Bernardo Sassetti.
       Ilustração de Rui Garrido.
  
  
  
Perante o drama da fugacidade da vida e da fatalidade da morte, Epicuro (filósofo grego, 341-270 a.C.) propõe a seguinte arte de viver:
  
Familiariza-te com a ideia de que a morte não nos diz respeito, pois todo o Bem e todo o Mal residem na sensação; ora a morte é a privação completa desta última. Este conhecimento exacto de que a morte não nos diz respeito tem como consequência apreciarmos melhor as alegrias que nos oferece a vida efémera (que não tem uma duração ilimitada), suprimindo o nosso desejo de imortalidade. Com efeito, deixa de sentir terror quem verdadeiramente compreende que a morte nada tem de atemorizador. (Epicuro, “Carta a Menaceu” in Dicionário Prático de Filosofia, Elisabeth Clément et alii, Ed. Terramar)
  
Não obstante certas filosofias de vida (como o epicurismo, o estoicismo ou o “carpe diemhoraciano) tentarem, talvez em vão e com esforço, construir um ideal ético da tranquilidade, o ser humano, no fundo, continua amargurado com o Tempo.
  
Existir é ser para a morte. Existir é ser para o nada.
  
A ideia da morte mantém-se obsessivamente viva. Será que constitui manifestação de masoquismo e antecipação? Será uma maneira de a exorcizarmos ou habituarmo-nos a ela? Ou talvez de tentarmos reaver os entes perdidos? Será maneira de resistir à mudança e a uma forma de existência desconhecida? Medo duma reabsorção no nada?
  
Heidegger (1889-1976) converte o existente no ser para a morte porque, no seu pensamento, a morte é a possibilidade fundamental do homem. Somos para a morte. A morte é a possibilidade impossível porque, ao contrário dos outros possíveis, que posso realizar, esse possível (a morte...) é aquele que não realizarei. Porquê? Porque jamais poderei dizer: eis-me morto!. (J.Guerra e J. VieiraAula Viva, 1999)
  
Ora, nesse questionar, o problema mais agudo, mais equívoco e por isso mais discutido, é justamente o problema da morte. E de tal modo isto é assim, que esse problema da morte (e paralelamente o do absurdo, o da angústia e da náusea) se tomou como que o sinal de identificação de uma obra existencialista. (Vergílio FerreiraO Espaço Invisível II, 1976)
  
E, todavia, sei-o hoje, só há um problema para a vida, que é o de saber, saber a minha condição, e de restaurar a partir daí a plenitude e a autenticidade de tudo – da alegria, do heroísmo, da amargura, de cada gesto. Ah, ter a evidência ácida do milagre do que sou, de como infinitamente é necessário que eu esteja vivo, e ver depois, em fulgor, que tenho de morrer. A minha presença de mim a mim próprio e a tudo o que me cerca é de dentro de mim que a sei – não do olhar dos outros. Os astros, a Terra, esta sala, são uma necessidade, existem, mas é através de mim que se instalam em vida: a minha morte é o nada de tudo. Como é possível? Conheço-me o deus que recriou o mundo, o transformou, mora-me a infinidade de quantos sonhos, ideias, memórias, realizei em mim um prodígio de invenções, descobertas que só eu sei, recriei à minha imagem tanta coisa bela e inverosímil. E este mundo complexo, amealhado com suor, com o sangue que me aquece, um dia, um dia – eu o sei até à vertigem – será o nada absoluto dos astros mortos, do silêncio. (Vergílio Ferreira, Aparição, 1959)
  
Segundo Jean-Paul Sartre, o existencialismo parte exclusivamente do homem (O Existencialismo é um Humanismo). “Neste sentido, o existencialismo é um optimismo, uma doutrina de acção”. O que importa é o que o homem faz com o que fizeram dele. O homem, responsável pela sua existência, constrói, conscientemente, o seu próprio projecto de vida.


  
  

EROS E THANATOS


  
Eros e Thanatos
Eros e Thanatos



  
Na Antiguidade, a morte é personificada pelo impiedoso Tânato (Tânatos ou Thanatos), filho da noite e irmão do sono. Eros e Tânatos, os deuses da mitologia grega que Freud elegeu para personificar as pulsões da vida e da morte, são normalmente representados juntos.
  

   

Eros e Thanatos por Sergey Ignatenko
Eros e Thanatos, Sergey Ignatenko (d.n.: 1975)
  
  


Segundo J. Chevalier e A. Gheerbrant (Dicionário dos Símbolos), “na iconografia antiga, amorte é representada por um túmulo, uma figura armada com uma gadanha, uma divindade com um ser humano entre as mandíbulas, um génio alado, dois jovens, um deles negro e o outro branco, um cavaleiro, um esqueleto, uma dança macabra, uma serpente ou qualquer animal psicopompo”, como o cavalo, o cão, etc.
  
Psicopompoé a figura que guia a alma em ocasiões de iniciação e transição: uma função tradicionalmente atribuída a Hermes no mito grego, pois ele acompanhava as almas dos mortos e era capaz de transitar entre as polaridades – não somente a morte e a vida, mas também a noite e o dia, o céu e a terra. (in Dicionário Crítico de Análise Junguiana, Andrew Samuels, Bani Shorter, Alfred Plaut, 1986)
  


    
       Eros e Tânatos por Michel Henric-Coll
       Michel Henric-Coll
  
  
  
       Tânatos, por Abecat
       Tânatos, Abecat (us-p.vclart.net)
  
  


  
  

VANITAS OU VAIDADE DA VIDA HUMANA

  
A estes motivos iconográficos associa-se também o conceito de vanitas (vaidade), em que é feita a comparação, por contraste total, entre, por um lado, a efemeridade dos prazeres mundanos, o vazio das ostentações vaidosas do Homem; e, por outro lado, a realidade ameaçadora do triunfo final da morte.
    
  






 Bacchus Amelus (1986) Joel-Peter Witkin
       Bacchus Amelus (1986) Joel-Peter Witkin


    

  
Albrecht Dürer (1471-1528), S. Jerónimo, não datado. Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa.
"Vanitas" (1630-40), Claesz
Pieter Claesz (Burgsteinfurt, 1597/98 - Haarlem, 1661)Vanitas  (1630-1640), colecção privada.
  


Tudo passa, caminhando para a destruição. Consciente disso, o homem barroco fez da sua morte tema dominante do seu pensar, do seu escrever. A presença da morte ocorre a cada passo na poesia barroca. A morte de alguém (alguém ilustre pela sua beleza, pela sua sabedoria, pelo seu poder, pela sua elevada categoria social) é dos motivos frequentemente tratados e utilizados como ponto de partida de meditação sobre a efemeridade dos bens terrenos. Mas na sociedade barroca a morte constitui-se em espectáculo. As pompas fúnebres, a grandiosidade dos monumentos tumulares são ainda formas de ostentação de grandeza, ao mesmo tempo que pretendem dizer o nada dessa grandeza. Há um comprazimento no fúnebre, no macabro, na representação concreta da morte; e há simultaneamente a transformação de tudo isso em pompa, em espectáculo, em exibição esplendorosa(Maria Lucília Gonçalves PiresPoetas do Período Barroco, Lisboa, Editorial Comunicação, 1985, pp. 34-35)
  
  

À FRAGILIDADE DA VIDA HUMANA
  
Esse baixel nas praias derrotado
Foi nas ondas Narciso presumido;
Esse farol nos céus escurecido
Foi do monte libré, gala do prado.
  

Esse nácar em cinzas desatado
Foi vistoso pavão de Abril florido;
Esse Estio em Vesúvios encendido
Foi Zéfiro suave, em doce agrado.
  

Se a nau, o Sol, a rosa, a Primavera
Estrago, eclipse, cinza, ardor cruel
Sentem nos auges de um alento vago,
  

Olha, cego mortal, e considera
Que és rosa, Primavera, Sol, baixel,
Para ser cinza, eclipse, incêndio, estrago.
 

Francisco de Vasconcelos (1665-1723)
  
  


  
       "Vanitas" (1663), Boel
       Vanitas (1663), Pieter Boel (1622-1674)
                      


                      
                      
                      
       
        Vanité...Gustav Klimt  
                      
                     


                
Recentemente, o livro de Almeida Faria Vanitas, 51, Avenue d'Iéna (obra com introdução deEduardo Lourenço) serviu de inspiração para um tríptico da Paula Rego com o título Vanitas(2006).
  
Paula Lobo (dn.sapo.pt, 2007/01/11) descreve a obra: Como a Vanitas das naturezas-mortas, também aqui dois mundos se cruzam na mesma dimensão espaço-tempo, em planos fechados, próximos, no cenário sem janelas, portas ou pontos de fuga. A vida e a morte, no corpo da figura de vestido amarelo que atravessa o tríptico.
  
VANITAS I, Paula Rego, 2006
       
  


No primeiro painel está prostrada, reclinada sobre a mesa. Adormecida ou mergulhada nos seus pensamentos, não sabemos, tem a rodeá-la rosas com espinhos, esqueletos de altares de mortos mexicanos, uma garrafa de vinho, um busto grotesco. Por detrás de si, destacando-se contra a parede branca, há flores vermelhas.
  
No último painel é já uma personagem ameaçadora que nos olha de frente. Sentada, de foice na mão, está mais perto do espectador e exibe, em cima da mesa, vários objectos. Como troféus: uma máscara, uma marafona de trapos típica de Monsanto, bonecos, um rato, uma guitarrinha, uma rosa colhida e uma caveira. A serpente que se move entre eles e o relógio ornamentado torna presente o tempo de vingança.
  
A mediar estas cenas, no painel central do tríptico, está a mesma mulher de vestido amarelo, sentada, de braços cruzados, sem outros adereços além do pano cinzento que lhe serve de fundo (cinzento, como a toalha da mesa que não aparece, este é um reposteiro que oculta). A figura está voltada para nós mas olha à nossa direita, o lado da foice, o lado do futuro. Atenta, defensiva. À espera.
         
  

VANITAS, Paula Rego, 2006
       
  
                
  

DANÇA DA MORTE OU DANÇA MACABRA

  
Segundo o autor Paul Badham, a partir do século VI a morte assumiu um aspecto mais sinistro, à medida que os conceitos de julgamento, purgatório e inferno começaram a ganhar destaque no pensamento cristão. O temor da morte tornou-se um tema dominante na religiosidade medieval e a contemplação da morte, uma característica marcante da espiritualidade cristã. Um fenómeno interessante apontado pelos estudiosos foi a transição de uma tradição antiga que via a morte como o destino colectivo da espécie (et moriemur — “e todos morreremos”) para uma nova tradição, surgida no século XII, que dava ênfase à morte do indivíduo. Nesse período surgiram livros que davam conselhos sobre a “arte de morrer” (ars moriendi), obras populares de consolo e devoção pessoal que visavam auxiliar os fiéis a morrerem bem e a vencerem o temor da morte.
               
  
  
       "Dança Macabra" (Avignon, séc. XIV)
       A morte armada de gadanha, ceifando as vidas de toda a população.
       Cena de Dança Macabra em pintura a fresco do Palácio dos Papas, em Avignon, século XIV.
  
                


Na parte posterior da Idade Média tornou-se comum a expressão memento mori (“lembra-te de que morrerás”), com a qual os monges saudavam uns aos outros nos corredores dos mosteiros. A própria precariedade da vida contribuía para essa mentalidade sombria. Em meados do século XIV, a Peste Negra — uma epidemia de peste bubónica e pneumónica — dizimou cerca de um terço da população da Europa. Um tema famoso na arte, em especial no século XV, era a Dança da Morte ou Dança Macabra, em que a morte, representada por um esqueleto, era mostrada na companhia de representantes de todas as classes sociais. Em algumas gravuras também havia um relógio de areia (ampulheta), que apontava para o carácter transitório da vida. A Dança da Morte era pintada nas paredes e janelas das igrejas, nas fachadas das casas, em pontes e em livros ilustrados. Com frequência, por baixo das gravuras eram colocados versos morais e descritivos que muitas vezes terminavam com as palavras “A morte espera por todos”. Às vezes essa dança também era representada em peças teatrais.  (Alderi Souza de Matos,vidaacademica.netultimato.com.br)
  
  


 
Dança Macabra, por Bernt Notke (Lassan -Vorpommern, 1435 / Lübeck, 1508/09)
  
             
  


Scabbard
 “A Dança da Morte” (Dagger sheath, 1521) por Hans Holbein
  
  
  


XCVII
DANÇA MACABRA
  
a Ernest Christophe.
  
                
Vaidosa, como um vivo, da nobre estatura,
Com as luvas e o lenço e o seu bouquet tão grande,
Tem a descontracção e a desenvoltura
De uma coquette magra com ar extravagante.
  
Alguém já viu no baile cintura mais fina?
O esplêndido vestido, amplo e majestoso,
Cai abundantemente sobre os pés esguios
E os pompons dos sapatos, lindos como flores.
  
O folhinho a brincar-lhe junto às clavículas
Qual regato lascivo a esfregar-se a um rochedo,
Protege com pudor dos gracejos ridículos
Os fúnebres engodos que teima em esconder.
  
Os seus olhos são feitos do nada e de trevas
E o seu crânio florido, com arte penteado,
Vai oscilando inerte sobre as frágeis vértebras.
Ó charme do vazio loucamente enfeitado.
  
Alguns irão chamar-te uma caricatura,
Não percebendo, amantes bêbados de carne,
A elegância sem nome da humana armadura.
Esqueleto, correspondes ao meu gosto caro!
  
Virás tu perturbar com essa forte careta
Os festejos da Vida? ou um desejo antigo,
Que saiba esporear essa carcaça viva,
Ainda irá levar-te ao festim do Prazer?
  
Com a chama das velas e o som dos violinos
Queres expulsar o teu pesadelo gozão
E ainda vens pedir ao caudal das orgias
Pra refrescar o inferno do teu coração?
  
Inesgotável poço de erros e de asneiras!
Da mais antiga dor o eterno alambique!
Através das costelas, dessa curva grelha,
Eu vejo, errando ainda, a insaciável víbora.
  
A bem dizer, receio que a coqueteria
Não ache um prémio digno de tantos esforços;
Quem, das almas mortais, entende a zombaria?
Os encantos do horror só extasiam os fortes!
  
O abismo desse olhar, com pensamentos trágicos,
Exala uma vertigem; os foliões prudentes
Não irão contemplar sem náuseas bem amargas
O eterno sorriso dos trinta e dois dentes.
  
Porém, quem não estreitou nos braços um esqueleto
E nunca se nutriu dessas coisas funéreas?
O que importa o perfume, a roupa, a toilette?
Quem se mostra enojado é porque se crê belo.
  
Bailando sem nariz, pécora irresistível,
Diz a estes convivas com ar tão chocado:
«Apesar de empoados, vaidosos e finos,
Vocês cheiram à morte! Ó esqueletos muscados,
  
«Antínoos ressequidos, dandies de pele glabra,
Grisalhos sedutores, cadáveres de verniz,
O universal vaivém desta dança macabra
Puxa-vos pra lugares ainda não conhecidos!
  
«Dos frios cais do Sena à ardente orla do Ganges
A manada mortal pula alegre, sem ver
Num buraco do tecto a trombeta do Anjo,
Essa bênção sinistra como um arcabuz negro.
  
«Sob os diversos climas, sóis, a Morte admira
As tuas contorções, cómica Humanidade,
E às vezes como tu, perfumada de mirra,

Mescla a sua ironia à tua insanidade!»
  
  
  



               
                  
       "La Danse Macabre"
       E. Duval d’après E. Christophe, La Danse Macabre, La Plume (Junho, 1903)
  
                  
O retorno ao medievo promovido pelo romantismo do século XIX trouxe de volta a Dança Macabra, não mais como símbolo representativo da metodologia cristã, mas como aspecto do medo e do desconhecido, que eles achavam esquecidos no mundo moderno. Goethe redescobriu a Totentanz(como é chamada a Dança Macabra em alemão), e utilizara numa baladaDer Todtentanz, e um outro alemão, Matthias Claudius, logo depois exploraria o tema no clássico Der Tod und das Mädchen(Claudius seria para sempre ofuscado pela versão musicada feita por Schubert em 1817).
  
A música ainda traria dois dos mais famosos exemplos de representação da Dança Macabra, na verdade mais presentes que a própria iconografia: a Totentanz, de Franz Liszt (inspirada na balada deGoethe) e a Danse Macabre (op. 40), composta por Camille Saint-Saëns. A peça de Liszt é uma série de paráfrases sobre o tema gregoriano do Dies Irae, parte da Missa de Réquiem, escrita para piano e orquestra. A obra começou a ser feita em 1840, mas só foi terminada por volta de 1850, embora só tenha tido a estreia em Haia quinze anos depois. Há registros que a inspiração de Liszt tenha vindo das ilustrações de Holbein, mas estudiosos defendem que Liszt talvez tenha tomado como inspiração O triunfo da Morte, encontrado num cemitério de Pisa, ou Il trionfo della Morte, de Andrea Orcagna. Uma outra fonte citada, certamente utilizada, foi a cena da Noite de Sabá, movimento da Sinfonia Fantásticade Hector Berlioz.
  
Já a Danse Macabre, de Camille Saint-Saëns (1835-1921) é hoje a mais citada referência do termo. Composta em 1874, estreou em 24 de janeiro de 1875 em Paris. Baseado em um poema de Jean Lahor, pseudónimo de Henri Cazalis, descreve um esqueleto, representando a Morte, que toca violino num macabro festim que começa à meia noite. Ao som do seu violino afinando, vários outros esqueletos levantam-se para dançar e o baile só termina com o cantar do galo que anuncia a aurora. O inteligente uso da orquestra serve para melhor ilustrar a história: o badalar da meia noite é feito pela harpa e pelas trompas. O primeiro violino faz a Morte, os esqueletos que bailam são representados pelo xilofone e o galo, pelo oboé.
  
  
DANSE MACABRE
  
Zig et zig et zag, la mort cri cadence 
Frappant une tombe avec son talon, 
La mort à minuit joue un air de danse,  
Zig et zig et zag, sur son violon.  
Le vent d'hiver souffle, et la nuit est sombre, 
Des gémissements sortent des tilleuls;  
Les squelettes blancs vont à travers l'ombre 
Courant et sautant sous leurs grands linceuls,  
  
Zig et zig et zag, chacun se trémousse,  
On entend claquer les os des danseurs,  
Un couple lascif s'asseoit sur la mousse  
Comme pour goûter d'anciennes douceurs.  
  
Zig et zig et zag, la mort continue  
De racler sans fin son aigre instrument.  
Un voile est tombé! La danseuse est nue!  
Son danseur la serre amoureusement. 
  
La dame est, dit-on, marquise ou baronne.  
Et le vert galant un pauvre charron -  
Horreur! Et voilà qu'elle s'abandonne  
Comme si le rustre était un baron!  
  
Zig et zig et zig, quelle sarabande!  
Quels cercles de morts se donnant la main! 
Zig et zig et zag, on voit dans la bande  
Le roi gambader auprès du vilain!  
  
Mais psit! tout à coup on quitte la ronde, 
On se pousse, on fuit, le coq a chanté  
Oh! La belle nuit pour le pauvre monde!  
Et vive la mort et l'égalité! 
  
Henri Cazalis (1840-1909)
  
  
  
Outras representações inspiradas pela ideia da Dança Macabra vão aparecer na música, na literatura e no cinema. A Máscara da Morte Escarlate (de Edgar Allan Poe), Uma noite no Monte Calvo(de Moussorgsky), o desenho de Disney “The Skeleton Dance” (das Silly Symphonies de 1929), nas canas finais de O Sétimo Selo de Ingmar Bergman, etc. (orecifeassombrado.com.br)

  
  
       O SÉTIMO SELO
  
       A partida de xadrez com a Morte
       em O sétimo selo (1956), de Ingmar Bergman
  
  
No filme O sétimo seloAntonius Block, um nobre que volta das Cruzadas da Terra Santa para o seu castelo na Escandinávia, no meio de uma crise existencial, vê-se na contingência de jogar xadrez com a Morte para salvar a própria vida. Block não pretende vencer a sua partida contra a Morte. Sabe que a tarefa é impossível, mas está decidido a ganhar algum tempo. O que ele deseja, antes de ser levado para o outro lado deste mistério, é o conhecimento.
  
No final deste filme de Ingmar Bergman, Antonius Block e todas as pessoas com as quais ele se cruza na sua jornada terminam executando a Dança da Morte. “Dançam rumo a escuridão e a chuva cai em seus rostos”, diz um trovador que testemunha a cena.
  
Eis a dança macabra da cena final em que a Morte conduz o cavaleiro e seus amigos ao mundo das trevas:
  
  
  
       "Dança Macabra", cena de "O Último Selo"
  
  
Como reacção à guerra do Vietname e desafiado por um estudante, Thomas Cornell criou uma pintura chamada Dança da Morte:
  
  
       "Dance of Death" (1968-69), Thomas Cornell
       Thomas Cornell, “Dance of Death” (1968-69)
  
  
dappledwithshadow:

Dance with DeathErnst Fuchs (Austrian, b.1935)
DANCE WITH DEATH. ERNST FUCHS



Para finalizar, acompanhe uma dança macabra: