quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

DIA DE AMIGOS

   
Steve Walker
   

AMIZADE I
       
– Dirás poesia com os meus sentimentos.
– É possível, é como me buscasse no sonho de outrem.
Não é inocente o espírito que nos habita,
necessário é saber onde arrumar a sabedoria.
       
Volveram alguns anos
e da conversa retenho a vaga impressão de termos falado de crenças,
do corpo humano sobre a Terra.
Não é inocente o espírito que nos habita.
A quem atribuir o valimento das fontes, das águas onde emerge?
Por um só encontro se faz uma amizade,
são viajantes que se encontram e afastam.
Na altura terei condito poesia
como não restasse mais tempo além daquele que foi seu.
Chamo objectos que matizaram a tela
sem que tenha por desenho pessoas,
mas momentos e espaços.
Luz, talvez, que viaja em correntes insignes,
funde no último plano do quadro e se afasta.
A retina arde
o sabor amarga
o tempo esvai e pára.
Em que parte somada encontro o conteúdo daquelas palavras,
o que se perde?
Não recordo de alguma vez ter dito poesia com os seus sentimentos.
       
       
       
Steve Walker (1961-2012), "On a Clear Day" 1996.
       

       
DIA DE AMIGOS
       
Nas quatro semanas antes do Entrudo, todas as quintas-feiras são dedicadas a festejos muito particulares nas ilhas dos Açores.
       
Ao todo são quatro dias que alargam o Carnaval a um mês de folia: Amigos (25 de Janeiro de 2007), Amigas (01 de Fevereiro de 2007), Compadres (08 de Fevereiro de 2007) eComadres (15 de Fevereiro de 2007).
       
Segundo os registos existentes, estas datas festejam-se há pelo menos cem anos. Noutros tempos, passavam-se estas quintas-feiras em bailaricos, patuscadas e a fazer o que se chamava de “assaltos” (as pessoas mascaravam-se e iam a casa umas das outras, onde se comia, bebia, dançava e festejava).
       
Actualmente, estes dias continuam a festejar-se nos Açores com variações que acompanham os gostos sociais. Os restaurantes, bares e discotecas recebem os convivas com programas para amigos que andam na pândega, como este, por exemplo:
       
       
25 de Janeiro de 2007 – 5ª feira 
DIA DOS AMIGOS 

Restaurante: 
Serviço à mesa personalizado por strippers em lingerie das 20h as 2h.
Das 2h as 4h: shows de strip e dj 

Menu: 
Bacalhau Proibido 
Desejo de Lombo 
Sobremesa: Colchão de Noiva 

nota: todos os pratos serão confeccionados com afrodisíacos.

Coyote Bar com elas em lingerie.

Shows de strip feminino e dj 

Senhores, preparem-se que elas são uma boooomba!!!
1 de Fevereiro de 2007 – 5ª feira 
DIA DAS AMIGAS 

Restaurante: 
Serviço à mesa personalizado por strippers masculinos de fio dental das 20h as 00h 
Das 0h às 4h: shows de strip masculino e dj 

Menu: 
Xuxu Gratinado 
Desejo de Lombo recheado com a "Ameixa" 
Sobremesa: Floresta Negra encantada 

nota: todos os pratos serão confeccionados com afrodisíacos.

Coyote Bar com eles em fio dental 

Shows de strip masculino e dj 

Senhoras, eles são de arrasar... ;-)
      
             

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

BICHO DA TERRA - cântico em honra de Miguel Torga

    
Miguel Torga            Miguel Torga
      
     
       
     
BICHO DA TERRA
     
“Nada há de permanente debaixo do sol” (Eclesiastes)
     
     
Sei do condão da mente e do condão da carne
sobre a mente. O sexo tangível da idade.
Eu sou a veloz condução dos congéneres bichos
que são da terra, que se agitam nos telhados
e desviam nossos olhares para lá das paredes sujas.
Atrevo e atiro para o chão as trevas e as glórias altas
faço e desfaço altos silos, combatentes reprogramações –
partes de um mesmo todo indefinido e inteligente?
Tudo é aluído na terra e será conforme a dor.
Modulo no vazio. Nem uma lápide, um livro ou uma oração
perdurarão no tempo.
É limitada a rede com que um homem se diz
e, no entanto, deseja
cortada rede com que principia
cortados fios que tece.
Deixarei estas palavras na crueza do corpo
num amplo quarto de um manicómio ou de uma prisão.
     
José Maria de Aguiar Carreiro
     
     
     
Nabucodonosor II, Rei de Babilónia. Pintura de William Blake, c. 1805. 
                 
           
           
O FRACO MOMENTO DA VIDA
     
Pode um homem querer mais do que é
ou apenas abarcar o prazer momentâneo
imaginar o belo, o infinito
     
pode um homem supor ser desejado por alguém
tão igual ao desejo que nem se aperceba da figura
do olhar e das palavras de uma casa que não é a sua.
Como olhar-se ao espelho, ver a pele envelhecida e dizer sou eu
quando estão as sensações fora do alcance da pele
dir-se-á velho? velho
que palavras inventará para esconder as falhas da carne
o bloqueio do desejo pela mente cansada
augura ele uma decrépita e eterna valia?
     

José Maria de Aguiar Carreiro

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2007/01/17/bichodaterra.aspx]